Assinatura RSS

O que será que ela quis dizer?

A Maria esta na sala assistindo televisão e eu na cozinha lavando louça.

 Eu estava particularmente feliz e comecei a cantar uma música, agora nem me lembro qual. De repente aquele ser do alto dos seus 85 cm me cutuca e diz:

 – Mamãe, não canta, tá?

Vocês por perto

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=rKWA2AV0qtw]

Maria, nesse último feriado vocês estiveram por aqui. Passei um dia todo com vocês, você fez milhões de caretas e eu fiz questão de registrar cada uma delas! Você adora uma câmera e fazer uma gracinha. E eu? Eu gosto de todas elas e de você!

Você pediu pra eu experimentar o seu chapéu, Anita, e ele ficou meio apertadinho, mas serviu. Sua mãe aproveitou pra fazer uma piadinha de como não cresço nunca e minha cabeça menos ainda (ela é muito engraçadinha, sabia?). Mas você ficou preocupada com algo além. Quando perguntei pra você se eu tinha ficado bonita, você me olhou de ponta a ponta, Maria, olhou pro meu vestido e depois pro chapéu, daí apontou pra sua mãe e fez sinal pra ela experimentar, mas não serviu, ela é cabeçuda, meu amor! 😛

Você é das nossas, puxou pra sua mãe, vai entender tudo de roupas e sapatos. Você adora um óculos e uma bolsa também. Tem aprendido direitinho! Quando você estiver maiorzinha vamos nos divertir a beça nas lojas, você vai ver só!

E, sabe de uma coisa? Você me chamou de “tia” pela primeira vez. Eu acho que não coube dentro de mim, quase chorei, mas pensei que você não fosse entender nada! Segurei e fiquei com a alegria dando pulinhos dentro de mim. Acho que nesse feriado eu fui a pessoa mais feliz do mundo com isso! E você nem tem a mínima noção do quando me fez feliz em três letras. Você é especial. Um anjo.

Eu sinto saudades sabia, minha pequena? Te amo muito também.

Maria no Parquinho

Maria vai no parquinho e decide se aventurar naquele brinquedo que muito lembra uma gaiola, cheio de barras para a criança subir. Subindo.

– Eu vou ‘pubi’!

Já lá em cima.

– Eu vou caí!!!

‘Popi’

Maria: mamãe “vamu popi migo compa patinho.”
Traduzindo: Mamãe vamos no shopping comigo comprar um sapatinho.
Eu posso com isso?!

Mamãe, quebrou!

Maria quebra um brinquedo e vem me mostrar. Eu retoricamente pergunto quem foi o autor da arte. Ela responde: o lobo. Digo: Maria não pode mentir, não foi o lobo. Quem quebrou a orelha do elefante? Ela: o papai, Anita não!

O Presente

Na véspera do aniversário dela:

– Maria vamos no shopping comprar um presente, o que vc quer ganhar?

– Chapéu.

– Vamos comprar um brinquedo, uma barbie, uma barraca! Qual vc quer?

– Mamãe, chapéu, Anita, chapéu, tá?

Isso me olhando por cima dos olhos. Como se com dó da minha dificuldade em compreender algo tão simples, o que ela queria de verdade é um chapéu.

Maria, Maria

Maria Anita, tenho sua mãe como se fosse minha irmã. Posso não ser quase nada sua em graus de parentesco, e a nossa distância quase não ajuda. Mas se eu considerar assim, você é minha sobrinha, e eu gosto tanto de pensar assim. Sinto tanto vocês terem saído daqui de perto tão cedo. Na verdade, queria vocês pra sempre aqui. E eu nem ia ligar em assistir A Galinha Pintadinha quantas vezes fosse preciso até você dormir, ou gargalhar ao vê-la capotar (sim, querida, você adora uma desgraça alheia, rs).

Mas tem coisas que acontecem pra melhorar a vida da gente, e pra isso a gente deixa algumas coisas pra trás, abre mão de outras, porque a gente tem que fazer conquistas novas. E com vocês foi assim. Me partiu o coração não tê-las aqui perto, e é certo que partiu o coração em milhões de pedaços, e assim foi com mais um tanto de pessoas. Mas quando a gente ama, a gente quer que as pessoas sejam felizes. E vocês foram ser felizes. Com o coração apertado eu me despedi de vocês, e sorri aliviada porque a sua mãe é das melhores, e ela levou você pra ser feliz. Maria, isso não tem preço!

Eu e sua mãe somos muito amigas, bem diferentes e parecidas em uma porção de coisas. Aprontamos bastante, mas quando ela soube que você já estava crescendo dentro dela, surgiu uma nova pessoa ali e não era só você, Maria. Eu sempre soube que ser mãe muda a gente um pouquinho, mas bonito foi ver isso de pertinho. Vi o rosto da sua mãe mudar, ela até deixou de tomar Coca-Cola quando estava esperando você, sabia? E olha, Maria, isso não é coisa fácil de se fazer, mais difícil ainda achei que seria pra sua mãe. Mas quando ela lembrava que era por você, parecia que nem era um sacrifício tão grande assim. 

Sua mãe vai vir falar de você também. Mas como ela fica ai com você, ela preferiu ir me contando pra eu poder colocar o máximo de coisas aqui. Ela disse pra mim, Maria, que logo, logo ela vai ter um clone dela, daí vai tudo melhorar. Aí a gente fez um trato, ela vai fazer um clone seu também, e aí poderão estar em dois lugares ao mesmo tempo, e um deles vai ser aqui. Vou te ensinar a fazer arte, igual eu e sua mãe fazíamos. Que é pra não deixar as façanhas se perderem no tempo.

Maria, esse cantinho aqui foi um meio que eu e sua mãe encontramos de registrar seus melhores momentos pra você ler quando ficar grandinha, e saber o quando você é doce, arteira e esperta, além de querida. Você, quando crescer, vai ter lição de casa em dose múltipla, além dos deveres da escola, vai ler tudo isso aqui. Não fique brava com a gente, foi um jeito que encontramos de não deixar nada se perder com o tempo, e além disso, um jeito de me manter mais pertinho de vocês, pra eu poder rir das suas Pérolas, Maria, e fazer isso junto com a sua mãe. É um jeito que encontramos de deixar um pedacinho do meu amor com você, e guardar o seu pedacinho aqui comigo.